Archive for setembro, 2015

Cecília Meireles e a rosa

Primeiro Motivo da Rosa

rose-168457_640

Vejo-te em seda e nácar,
e tão de orvalho trêmula, que penso ver, efêmera,
toda a Beleza em lágrimas
por ser bela e ser frágil.

Meus olhos te ofereço:
espelho para face
que terás, no meu verso,
quando, depois que passes,
jamais ninguém te esqueça.

Então, de seda e nácar,
toda de orvalho trêmula, serás eterna. E efêmero
o rosto meu, nas lágrimas
do teu orvalho… E frágil.

(Cecília Meireles, em Mar Absoluto)

Lindo poema que trata da efemeridade da rosa em contraste com a perenidade da flor a partir do momento em que será eternizada pelo verso da poeta.

Karina

 

 

Anúncios

Leave a comment »

Uma dedicatória à minha Esposa, por T.S. Eliot

t-s-eliot

A quem devo o súbito prazer
Que me estimula os sentidos nas horas acordadas
E o ritmo que nos governa o repouso nas horas dormidas,
A respiração em uníssono

Dos amantes cujos corpos cheiram um ao outro
Que pensam os mesmo pensamentos sem precisar de palavras
E balbuciam as mesmas palavras sem precisar de sentido.

Nenhum vento de inverno impertinente vai gelar
Nenhum sol de trópico rabugento vai fazer murchar
As rosas no rosal que é nosso que é só nosso

Mas esta dedicatória é para outros lerem:
São palavras reservadas dirigidas a você em público.

 
 
(T.S.Eliot in Obras Completas – Volume I – Poesia – Tradução de Ivan Junqueira)
 Thomas Stearns Eliot foi poeta, dramaturgo e crítico literário. Nasceu em 26 de setembro de 1888 nos Estados Unidos, na cidade de St. Louis, no Missouri.  Transferiu-se para a Inglaterra em 1914, onde adquiriu a cidadania britânica. Sua obra recebeu influência de Charles Baudelaire.
Recebeu o Prêmio Nobel de Literatura de 1948.
Faleceu no ano de 1965, em Londres, deixando importante obra literária.
Karina

Leave a comment »