Posts tagged poema

Homenagem a Manoel de Barros

A literatura mundial perde mais um grande nome. O poeta brasileiro Manoel de Barros o faleceu ontem aos 97 anos.

Reconhecido no Brasil e internacionalmente, o escritor foi considerado por Drummond o “maior poeta brasileiro” vivo. Guimarães Rosa, outro revolucionário das palavras, comparou os escritos de Manoel de Barros a um “doce de coco”. Tinha ainda como admiradores declarados, Millôr Fernandes, Geraldo Carneiro e Antonio Houaiss. Recebeu vários prêmios literários.

Como legado deixou mais de vinte livros publicados no Brasil, todos repletos de delicadezas, originalidade e beleza.

A seguir mais uma amostra das maravilhas de seus poemas:

manoel

Tratado geral das grandezas do ínfimo

A poesia está guardada nas palavras — é tudo que eu sei.
Meu fado é o de não saber quase tudo.
Sobre o nada eu tenho profundidades.
Não tenho conexões com a realidade.
Poderoso para mim não é aquele que descobre ouro.
Para mim poderoso é aquele que descobre as insignificâncias (do mundo e as nossas).
Por essa pequena sentença me elogiaram de imbecil.
Fiquei emocionado.
Sou fraco para elogios.

Karina

Anúncios

Comments (1) »

O casaco, por Manoel de Barros

O poeta Manoel de Barros nasceu em Cuiabá, em 1916. Dentre diversas obras festejadas, se destaca o seu “Livro Sobre Nada”, de 1996. Abaixo, uma amostra de seu brilhantismo poético.

good-morning-709447-m

O casaco

Um homem estava anoitecido.
Se sentia por dentro um trapo social.
Igual se, por fora, usasse um casaco rasgado e sujo.
Tentou sair da angústia.
Isto ser:
Ele queria jogar o casaco rasgado e sujo no lixo.
Ele queria amanhecer.

Telma

Comments (2) »

Hilda Hist

Alcoólicas (I)

 vein

 

É crua a vida. Alça de tripa e metal.

 

Nela despenco: pedra mórula ferida.

 

É crua e dura a vida. Como um naco de víbora.

 

Como-a no livor da língua

 

Tinta, lavo-te os antebraços, Vida, lavo-me

 

No estreito-pouco

 

Do meu corpo, lavo as vigas dos ossos, minha vida

 

Tua unha plúmbea, meu casaco rosso.

 

E perambulamos de coturno pela rua

 

Rubras, góticas, altas de corpo e copos.

 

A vida é crua. Faminta como o bico dos corvos.

 

E pode ser tão generosa e mítica: arroio, lágrima

 

Olho d’água, bebida. A Vida é líquida.

 

Karina

 

Leave a comment »

De gramática e de linguagem

Mário Quintana escreveu poesia, prosa, livros infantis e fez traduções. Foi um grande autor, inteligente, sensível e multifacetado.  Abaixo, segue mais um brilhante texto poético do escritor, extraído do livro “Prosa & Verso” e intitulado “De gramática e de linguagem”. Imperdível!

3405719451_8d28bfdc42

De gramática e de linguagem


E havia uma gramática que dizia assim:

“Substantivo (concreto) é tudo quanto indica

Pessoa, animal ou cousa: João, sabiá, caneta”.

Eu gosto é das cousas. As cousas, sim!…

As pessoas atrapalham. Estão em toda parte. Multiplicam-se em excesso.


As cousas são quietas. Bastam-se. Não se metem com ninguém.

Uma pedra. Um armário. Um ovo. (Ovo, nem sempre,

Ovo pode estar choco: é inqueitante…)

As cousas vivem metidas com as suas cousas.

E não exigem nada.

Apenas que não as tirem do lugar onde estão.

E João pode neste mesmo instante vir bater à nossa porta.

Para quê? não importa: João vem!

E há de estar triste ou alegre, reticente ou falastrão,

Amigo ou adverso… João só será definitivo

Quando esticar a canela. Morre, João…

Mas o bom, mesmo, são os adjetivos,

Os puros adjetivos isentos de qualquer objeto.

Verde. Macio. Áspero. Rente. Escuro. Luminoso.

Sonoro. Lento. Eu sonho

Com uma linguagem composta unicamente de adjetivos

Como decerto é a linguagem das plantas e dos animais.

Ainda mais:

Eu sonho com um poema

Cujas palavras sumarentas escorram

Como a polpa de um fruto maduro em tua boca,

Um poema que te mate de amor

Antes mesmo que tu saibas o misterioso sentido:

Basta provares o seu gosto…

Telma

Leave a comment »

Canção Excêntrica

Hoje presenteamos o leitor com uma belíssima poesia da magistral Cecília Meireles, do conjunto de poemas “Vaga Música”, escrito em 1942. Extremamente racional frente aos temas mais filosóficos da vida, a autora também se apresenta com uma fragilidade pungente. Maravilhoso!

881944_at_the_ruin

CANÇÃO EXCÊNTRICA

Ando à procura de espaço

para o desenho da vida.

Em números me embaraço

e perco sempre a medida.

Se penso encontrar saída,

em vez de abrir um compasso,

protejo-me num abraço

e gero uma despedida.


Se volto sobre meu passo,

é já distância perdida.


Meu coração, coisa de aço,

começa a achar um cansaço

esta procura de espaço

para o desenho da vida.

Já por exausta e descrida

não me animo a um breve traço:

– saudosa do que não fço

– do que faço, arrependida.

Telma

Leave a comment »

Belíssimo poema de Garcia Lorca

moon

 “Se as minhas mãos pudessem desfolhar

Eu pronuncio teu nome
nas noites escuras,
quando vêm os astros
beber na lua
e dormem nas ramagens
das frondes ocultas.
E eu me sinto oco
de paixão e de música.
Louco relógio que canta
mortas horas antigas.

Eu pronuncio teu nome,
nesta noite escura,
e teu nome me soa
mais distante que nunca.
Mais distante que todas as estrelas
e mais dolente que a mansa chuva.

Amar-te-ei como então
alguma vez? Que culpa
tem meu coração?
Se a névoa se esfuma,
que outra paixão me espera?
Será tranquila e pura?
Se meus dedos pudessem
desfolhar a lua!”

Federico Garcia Lorca nasceu em 05 de junho de 1898 na região de Granada, Espanha.

Estudou direito e letras na Universidade de Granada e em 1918 publicou o seu primeiro livro – “Impressões e Paisagens” (Impresiones y Paisajes).  A partir de então investe na dramaturgia, na música e na pintura. No entanto, foi com a poesia que o escritor espanhol ganhou notoriedade, publicando dezenas de obras.

Em 1936 , ano em que eclodiu a Guerra Civil Espanhola, foi injustamente  preso e fuzilado pelo governo franquista, que considerava o poeta “perigoso” em razão de suas ideias libertárias.

Sua poesia, porém, repleta de simplicidade e emoção, continua eterna e até os dias atuais encanta os leitores do mundo todo.

Karina

Comments (5) »

Shakespeare apaixonado

Abaixo um dos famosos sonetos de William Shakespeare, extraído do livro 42 Sonetos , com tradução de Ivo Barroso e editora Nova Fronteira.

No soneto que trazemos hoje, o grande poeta inglês fala da efemeridade da beleza de sua musa que, no entanto, se perpetua através do poema a ela dedicado.

flor1

“Soneto XVIII

Devo igualar-te a um dia de verão?
Mais afável e belo é o teu semblante:
O vento esfolha Maio inda em botão,
Dura o termo estival um breve instante.
Muitas vezes a luz do céu calcina,
Mas o áureo tom também perde a clareza:
De seu belo a beleza enfim declina,
Ao léu ou pelas leis da Natureza.
Só teu verão eterno não se acaba
Nem a posse de tua formosura;
De impor-te a sombra a Morte não se gaba
Pois que esta estrofe eterna ao Tempo dura.
Enquanto houver viventes nesta lida,
Há-de viver meu verso e te dar vida”.

 Karina

Leave a comment »

Mais Natal: Papai Noel

678266_christmas

Persistimos na onda natalina. Agora trazemos ao leitor o poema  “The Night Before Christmas”, do escritor americano Clement Moore, elaborado no longínquo ano de 1822. Referido poema traz, pela primeira vez a imagem do Papai Noel tal como o conhecemos hoje, com as figuras do trenó, das renas, da chaminé e do saco de brinquedos.

Clement Moore nasceu em 1779, vindo a falecer em 1863 e o poema abaixo (“A véspera de Natal”) é também conhecido como “Uma visita de São Nicolau”.

Era véspera de Natal, e a casa dormia
Nem mesmo um camundongo por ela se movia
As meias, na chaminé, esperavam, de leve
Que São Nicolau chegasse em breve

As crianças dormiam entre quentes cobertas
Sonhando com os doces que viriam na certa
E eu e a mamãe, de lenço e boné
Ressonávamos tranqüilos, noite afora até

Que um estrondo lá fora chamasse a atenção.
Levantei-me para ver qual era a confusão.
Como um relâmpago corri para a janela
Abri as persianas, a cortina que velai

E a Lua que reluzia sobre a neve recente
Iluminava a cena como um sol nascente
E diante dos meus olhos surgiram, repentinos,
Oito renas minúsculas e um trenó pequenino

Com um velho à rédea, feliz e com pique
Logo tive a certeza de que era São Nick
Rápido como uma águia, o trenó voava
E ele, entre assobios, cada rena chamava

“Vamos Dasher, vamos Dancer, vamos Prancer e Vixen!
Vamos Comet, vamos Cupid, vamos Donner e Blitzen!
Por sobre a varanda e por sobre o telhado!
Voando, voando, por todos os lados!”

E como folhas secas ao vento do furacão
Que não respeitam barreira à sua ascensão
As renas voavam casa acima, pelo céu
Puxando o trenó, brinquedos e Noel

E depois eu ouvi, por sobre o telhado
Os cascos se movendo em tom ritmado
E quando fechei a janela e me virei para olhar
Da chaminé percebi São Nicolau saltar

Vestido de peles, dos pés à cabeça
Coberto de pó e de fuligem espessa
Ele trazia às costas brinquedos variados
Como um vendedor chegando ao mercado

Seus olhos brilhavam, e seu rosto sorria
Na face rosada o nariz reluzia
Sua boca se abriu em um sorriso breve
E a barba em seu queixo era branca como a neve

O homem trazia um cachimbo entre os dentes
E a fumaça cercava seu rosto sorridente
Seu rosto pequeno e barriga arredondada
Se moviam como gelatina quando ele dava risada!

Tão gorducho e redondo, o alegre pequenino
Que sorri sem nem notar, ao vê-lo, ladino,
Me fazer um sinal, uma leve piscada,
Indicando situação nada arriscada

E sem uma palavra ele fez seu trabalho,
Enchendo as meias, e girando no assoalho
Ergueu um dedo em sinal de despedida
E pela chaminé procurou a saída

Saltou ao trenó, com um forte assobio,
E saíram aos ares com um rodopio
Mas o ouvi exclamar, no momento final
“Meu boa noite a todos, e um feliz natal”.

Telma

Comments (2) »

O Bicho, de Manuel Bandeira

O poema abaixo retrata o cotidiano degradante do homem que atingiu o ápice da miséria.

Quem nunca se deparou com uma cena como a descrita no texto de Manuel Bandeira? Lamentavelmente, esses fatos acontecem tão rotineiramente que muitos já nem se importam mais…

poorO Bicho


“Vi ontem um bicho
Na imundície do pátio
Catando comida entre os detritos.

Quando achava alguma coisa,
Não examinava nem cheirava:
Engolia com voracidade.

O bicho não era um cão,
Não era um gato,
Não era um rato.

O bicho, meu Deus, era um homem”.

 Manuel Carneiro de Souza Bandeira Filho nasceu em 19 de abril de 1886 em Recife. Em 1903 foi para a cidade de São Paulo a fim de cursar Engenharia na Escola Politécnica. No entanto, em decorrência do acometimento de tuberculose, não pôde concluir o curso. A partir de então, passa por verdadeira peregrinação por diversas cidades e casas de saúde, tendo, inclusive, se mudado por um ano para a Suíça com o intuito de livrar-se da doença. Ao voltar para o Brasil tornou-se inspetor de ensino e depois professor de literatura.

Em 1917 publicou seu primeiro livro – A Cinza das Horas – com características parnasianas e simbolistas. Posteriormente à publicação de seu primeiro livro, o poeta foi se enquadrando no estilo modernista, culminando com a publicação em 1930 da obra Libertinagem, considerada uma das mais importantes da literatura moderna brasileira.

manuel_bandeira

Na obra de Bandeira predominam a liberdade de conteúdo e de forma, o retrato do cotidiano, a sua própria história de vida, o humor,  a indignação com a realidade do homem e a idealização de um mundo mais justo. O autor conseguiu reunir em sua poesia subjetividade e objetividade e o resultado foi perfeito.

Certamente os leitores do nosso blog serão presentados com muitos outros textos do grande Manuel Bandeira. Aguardem.

Karina

Comments (59) »

Sensibilidade de Pablo Neruda

Abaixo belíssimo poema de Neruda, um dos meus prediletos:

Os teus pés

Quando não posso contemplar teu rosto,
contemplo os teus pés.

Teus pés de osso arqueado,
teus pequenos pés duros.

Eu sei que te sustentam
e que teu doce peso
sobre eles se ergue.

Tua cintura e teus seios,
a duplicada púrpura
dos teus mamilos,
a caixa dos teus olhos
que há pouco levantaram vôo,
a larga boca de fruta,
tua rubra cabeleira,
pequena torre minha.

Mas se amo os teus pés
é só porque andaram
sobre a terra e sobre
o vento e sobre a água,
até me encontrarem.”

 Pablo Neruda é o pseudônimo adotado por Ricardo Eliecer Neftalí Reyes Basoalto, nascido em 12 de julho de 1904 em Parral, povoado da zona central do Chile e falecido em 23 de setembro de 1973.

Desde cedo, Neruda participou de movimentos políticos estudantis, o que o levou a seguir carreira diplomática. Muitas de suas poesias abordavam temas líricos como o amor, a mulher amada etc e outras tinham cunho político, tendo em vista sua ativa participação na política. Fez muitos versos com características épicas também.

Em decorrência de sua atuação na política foi nomeado senador e teve muitos inimigos, chegando mesmo a ser exilado na Europa em razão de seus discursos inflamados contra o governo.

Neruda foi um dos maiores poetas chilenos contemporâneos e influenciou muitos escritores. Em 1971 recebeu o Prêmio Nobel de Literatura, além do Prêmio Nobel da Paz. Sua obra é vasta e merece ser lida e relida.

Karina

Leave a comment »