O cíume. Por Guilherme de Almeida

Guilherme de Almeida foi um dos maiores expoentes da literatura brasileira, sendo considerado um precursor da escola modernista. Faleceu em 1969, deixando-nos órfãos de sua genialidade. No poema que reproduzimos a seguir, o exímio escritor trata de um tema eternamente em voga: o ciúme. E o faz com um brilhantismo ímpar! Veja por si mesmo:

 

Minha melhor lembrança é aquele instante no qual

Pela primeira vez, me entrou pela retina

Tua silhueta, provocante e fina

 Como um punhal

Depois, passaste a ser unicamente aquela

Que a gente se habitua a achar apenas bela

E que é quase banal.

 E agora que te tenho em minhas mãos e sei

Que os teus nervos se enfeixam todos em meus dedos

E os teus sentidos são cinco brinquedos

Com que brinquei

Agora que não mais me és inédita;  agora

 Que eu compreendo que, tal como te vira outrora

Nunca mais te verei

 Agora que de ti, por muito que me dês

Já não podes dar a impressão que me deste

A  primeira impressão, que me fizeste

Louco talvez

Tenho ciúme de quem não te conhece ainda

E cedo ou tarde  te verá, pálida e linda

Pela primeira vez.”

Telma

Anúncios

5 Respostas so far »

  1. 1

    leonardo sarava said,

    que bom q vc gosta de guilherme de almeida! ele é de fato um dos maiores nomes de nossa poesia. fico feliz com a postagem do poema. apenas recomendo que, na próxima vez, seja respeitada a divisão original de versos… o poema não é em prosa corrida, e fica muito mais gracioso se disposto em versos.

    abraço,
    leonardo

    • 2

      telminha21 said,

      Caro Leonardo,
      obrigada pelo seu comentário. Guilherme de Almeida é realmente maravilhoso e amamos esse poema.
      Também agradecemos pela correção e esclarecemos que reproduzimos o poema em versos, como deve ser. Abraços.
      Karina e Telma

  2. 3

    ana lucia said,

    O príncipe dos poetas,guilherme de almeida é eterno .
    Suas poesias e poemas atravessam os tempos como se fossem feitos nos dias de hoje, ele é romântico, moderno, atual e com a sensibilidade que poucos tem.
    Ele é apaixonante no livro “MESSIDOR”.

  3. 4

    joao lima said,

    há 30 anos ouvi esse poema com cladio cavalcante. ele recitava outro de gibran, gostaria de encontrar

  4. 5

    Cecilia Lima said,

    Vim atrás do “Por quê,” e não quero ir embora, só vou porque poderei voltar em qualquer hora.
    Obrigada,


Comment RSS · TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: