Baudelaire e a dor

Dá um tempo, ó minha dor, controla tua agressividade.

Tu querias a noite; Aí está; ela vem descendo;

Uma atmosfera sombria já envolve quase toda a cidade,

Uns encontram a paz; outros seguem padecendo.

Enquanto dos mortais a multidão vil,

Sob o chicote do prazer, esse impiedoso carrasco,

Vai colhendo remorsos na festa servil,

Minha dor, me dá a mão, vamos por aqui, sem asco,

Ver, longe deles, debruçaram-se os anos defuntos,

Sobre os balcões do céu, usando velhos conjuntos;

Emergir a saudade, do fundo das águas, sorridente;

O sol moribundo adormecer atrás da arcada mansa,

E, como uma longa mortalha arrastando-se no Oriente,

Ouve, minha cara, ouve a doce noite que avança.

(Charles Baudelaire in Les Fleus du Mal)

Karina

Anúncios

2 Respostas so far »

  1. 1

    *Sô* said,

    que lindo amiga, não conhecia!
    é o que falo sempre…dá um tempo minha dor !

    • 2

      Telma e Karina said,

      Que bom que gostou, Sô. Não é todo o mundo que curte Baudelaire, acham ele meio “pesadão”… Mas eu gosto muito! Bjs Karina


Comment RSS · TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: