Ismália

Ismália


Quando Ismália enlouqueceu,
Pôs-se na torre a sonhar…
Viu uma lua no céu,
Viu outra lua no mar.

No sonho em que se perdeu,
Banhou-se toda em luar…
Queria subir ao céu,
Queria descer ao mar…

E, no desvario seu,
Na torre pôs-se a cantar…
Estava perto do céu,
Estava longe do mar…

E como um anjo pendeu
As asas para voar…
Queria a lua do céu,
Queria a lua do mar…

As asas que Deus lhe deu
Ruflaram de par em par…
Sua alma subiu ao céu,
Seu corpo desceu ao mar…

(Alphonsus de Guimaraens)

 

Afonso Henriques da Costa Guimaraens, o Alphonsus de Guimaraens, nasceu em 1870, na cidade de Ouro Preto – MG. Faleceu em Mariana – MG, em 1921. Formou-se em Direito, mas desde seus tempos de estudante colaborava nos jornais “Diário Mercantil”, “Comércio de São Paulo”, “Correio Paulistano”, “O Estado de S. Paulo” e “A Gazeta”, além de frequentar lugares onde se reuniam os poetas simbolistas, que foram influência em sua obra. Em 1895 tornou-se promotor de Justiça em Conceição do Serro – MG e, a partir de 1906, Juiz em Mariana – MG. Seu primeiro livro de poesia, Dona Mística, (1892/1894), foi publicado em 1899, ano em que também saiu o “Setenário das Dores de Nossa Senhora. Câmara Ardente”. Em 1902 publicou “Kiriale”, sob o pseudônimo de Alphonsus de Guimaraens. Sua “Obra Completa” foi publicada em 1960. Considerado um dos grandes nomes do Simbolismo, os temas principais de sua obra foram a morte, o amor e a religiosidade. Em vários textos invoca a sua amada ausente, referência à  morte de sua noiva Constança, em 1888.

Karina

Anúncios

4 Respostas so far »

  1. 1

    said,

    que lindo Ka.

  2. 2

    Vinicius said,

    Obrigado por ambas, Karina e Telma, difundirem a cultura, a literatura, através deste Blog que representa um esforço no intuito de propagar o conhecimento, a sensibilidade e o aflor de uma cultura, influindo para o seu enriquecimento. Sou imensamente grato! Espero e desejo carinhosamente que continuem, e para isso dando-lhes o meu apoio, deixo grafado aqui estas palavras. A feliz nomenclatura deste Blog – Literatura em conta-gotas, dá-se a feliz e verídica história de que a literatura é um remédio periódico, capaz de sanar nossas obscuridades.

    Um grande abraço.

    • 3

      Telma e Karina said,

      Caro Vinicius:
      O seu comentário nos deixou imensamente felizes! Este blog é um xodó meu e da Telma. Tudo o que colocamos aqui é escolhido a dedo e esperamos dessa forma, contribuir um pouquinho para o conhecimento e a diversão dos amantes da leitura. E a definição que você deu sobre o nome do blog é perfeita. É exatamente assim que vejo a literatura. Muito obrigada! Volte sempre! Um abraço! Karina

  3. 4

    jujudiniz said,

    Sempre me impressiono com os românticos brasileiros moldados à francesa. 🙂 Beijão!


Comment RSS · TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: