Os namorados, por Elsie Lessa

Os namorados


Dizer que há a inflação e a permante crise política, os festivais de cinema, a feira de antiguidades, os mísseis, cápsulas no espaço, crimes e o campeonato mundial de futebol. E, com todas essas coisas, para distrair o espírito, há quem se dirija às seções de queixas e reclamações de um jornal para pedir providências contra um ônibus Urca – Erasmo Braga entre as cinco e meia e seis da tarde.

Dei com os olhos na notícia do jornal e achei engraçado. Eis que perturbavam os passantes, os “habitués” da fila, “as expansões”, do casalzinho, vai ver que de volta das aulas ou do trabalho. Não ri, nem chorei: como Machado de Assis, admirei-me simpeslemnte com as turbas.

Rolam os dias, e ontem, de novo, abrem-se colunas, gastam-se letras da imprensa e custoso papel dela ainda para reclamar dos pobres amantes. Acresce, dizem os queixosos, ou um deles, que os representa, “que ele é muito alto, ela muito baixinha”, o que não sei se lhes dificultará ou propiciará as tais “expansões” de que tanto se queixam na coluna.

Ontem, rolava eu pela tarde irrealmente linda de Petrópolis, e, não sei por que, pensava nesses namorados que nunca vi. Pensei em prestar-lhes o meu irrestrito apoio, intenção que ora concretizo, por estas mal traçadas.

Pois que seria de nós, deste complicado mundo, sem vós, namorados, mesmo que sejam estes que tanto reclamam, da fila Erasmo Braga-Urca. Amem-se, expandam-se nas suas expansões, que a ninguém pode fazer mal, mesmo ele sendo muito alto, ela muito baixinha, obedecendo à lei dos contrastes ou ao gênio da espécie. Estamos cansados, neurastênicos, aflitos neste mundo que não sabemos, mas desconfiamos, às vezes, aterrorizados, para onde irá. E um casal se ama, e, se amando, expande-se e se assim se expande às seis horas da tarde, na fila do ônibus, há de ser porque não tem muito lazer nem local para expandir-se em sítio mais cômodo, para eles e para os demais “habitués” da fila.

E fico a pensar em que expansões serão essas dele, muito alto, ela muito baixinha, como fez questão de frisar o reclamante, capaz de tanto perturbar a volta do trabalho desses escandalizados habitantes da Urca.

Não sei, mas estou convosco, ó namorados, ele muito alto etc. etc. O mais que fazeis é estar amando e não é coisa que geralmente faça mal ao próximo. Amando, no Rio de Janeiro, no Brasil, a inflação subindo quatro vírgulas não sei quanto cada mês, cápsulas espaciais a despencarem dos ceús, guerra no Vietnã, aflições e desconfortos vários. E vós ainda vos amais, um ao outro, numa fila humilde de ônibus, entre cinco e seis horas da tarde, vai ver que cansados da lida do dia.

Amem-se, expandam-se, doa a quem doer, que não há de doer muito. Digam o que disserem,é um dos belos ofícios que se pode exercer, neste trsite mundo, este de amar e expandir-se. Mesmo sendo “ele muito alto, ela baixinha”.

(Elsie Lessa in Crônicas de Amor e Desamor – 1973 – Ed. F. Alves)

Karina

Anúncios

1 Response so far »

  1. 1

    Jecé Torres said,

    Essa é a pior escritora de cronicas de toda a historia do genero.


Comment RSS · TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: