Indicação de Leitura

A nossa indicação de hoje é o livro  “A Convidada”, da escritora francesa Simone de Beauvoir.

Simone de Beauvoir nasceu em 1908, na cidade de Paris. Lá se formou em Filosofia e durante esse período conheceu o filósofo Jean-Paul Sartre, que se tornou seu companheiro de toda a vida.

Feminista, Beauvoir escreveu diversos romances que causaram polêmica na época. Adepta do existencialismo – movimento filosófico que, em síntese, analisa o homem e a sua relação com o mundo, acreditando que o ser humano é definido pelas suas ações – a escritora traz muita de tal corrente filosófica em toda a sua obra.

Simone de Beauvoir morreu em Paris no ano de 1986 e deixou livros que valem a pena ser lidos, como este que indicamos hoje.

“A Convidada” se trata de um romance com traços autobiográficos da autora. Foi escrito nos anos 40 e tem como pano de fundo a cidade de Paris pré 2ª Guerra Mundial. A personagem principal é Françoise, uma escritora de 30 anos de idade que tem um relacionamento estável com Pierre, um diretor de teatro. O relacionamento dos dois é pouco convencional para a época, pois ambos têm liberdade para se envolverem com outras pessoas. Assim,  Pierre tem relações superficiais com outras mulheres, enquanto dedica a Françoise um amor amplo e total cumplicidade.

Parece que nada vai abalar a felicidade sem intercorrências do casal. Mas aí aparece Xavière, uma jovem provinciana que chega a Paris e invade completamente a vida dos dois. No início, Françoise – segura do amor de seu companheiro – se encanta com a jovem e, junto com Pierre, se dedica a apresentar-lhe Paris.

Mas, pouco a pouco, a presença constante da outra começa a se tornar uma ameaça ao seu estável relacionamento.  A mudança drástica nas atitudes de Pierre com a chegada de Xavière, passa a ser uma angústia sufocante que Françoise não sabe como colocar fim.

Simone de Beauvoir leva o leitor a compartilhar a aflição, as inquietações e todos os pensamentos de Françoise de uma forma extraordinária. Vale a pena ler!

Eis um trecho do livro para que o leitor sinta na pele as agruras de Françoise:

Françoise sentou-se à mesa de trabalho e olhou desalentada as folhas de papel. Tinha a cabeça pesada e dor na nuca e nas costas. Não se sentia com disposição para trabalhar. Xavière, mais uma vez, roubara-lhe meia hora: era terrível o tempo que ela devorava, provocando um estado de tensão sobre-humana em que não havia solidão, nem lazeres, nem mesmo simplesmente repouso. Não, repetia. Diria não com todas as suas forças e Pierre a ouviria. Sentiu que dentro dela qualquer coisa naufragava: Pierre renunciaria facilmente a essa viagem, pois seu desejo não era assim tão violento. E depois? De que servia essa renúncia? O que a angustiava era o fato de Pierre não ter se manifestado contra tal projeto. Ligaria assim tão pouca importância à sua obra? Teria já passado da perplexidade a uma indiferença completa?

(…)

Teve um sobressalto: alguém, que subira a escada precipitadamente, bateu à porta.

– Entre – disse.

Surgiram dois rostos ao mesmo tempo na soleira da porta. Ambos sorriam: Xavière escondera os cabelos num capuz escocês. Pierre segurava o cachimbo na mão.

– Vai achar ruim, se substituirmos a lição por um passeio na neve? – perguntou ele.

Françoise sentiu o coração parar. Regozijara-se tanto ao imaginar a surpresa de Pierre e a satisfação de Xavière perante os seus elogios! Entregara-se de corpo e alma à tarefa de obrigar Xavière a trabalhar. Afinal, tinha que reconhecer sua ingenuidade; as lições para eles não eram coisa séria e, além disso, pretendiam ainda fazê-la assumir a responsabilidade pela preguiça que sentiam.

– Isso é com vocês – respondeu. – Nada tenho a ver com isso.

Os sorrisos desapareceram: essa voz séria não estava prevista na brincadeira deles.

– Você nos censura de verdade? – perguntou Pierre, um pouco desorientado, olhando para Xavière, que o fixava também hesitante sobre a atitude a tomar. Pareciam dois culpados. Pela primeira vez, devido a essa cumplicidade em que Françoise os colocava, surgiam perante esta como um par. Ambos tinham consciência disso e a situação era incômoda.

– Não, não. Aproveitem o passeio.

Fechou a porta, talvez rapidamente demais, e ficou encostada à parede. Eles desciam a escada em silêncio. Françoise adivinhava as expressões penalizadas. De qualquer forma, eles não trabalhariam e ela apenas com sua atitude conseguira estragar-lhes o passeio. Teve uma espécie de soluço. Para que servia isso?

Karina

Anúncios

2 Respostas so far »

  1. 1

    Karina passei para conhecer seu blog ele é not°10, show, espetacular desejo muito sucesso em sua caminhada e objetivo no seu Hiper blog e que DEUS ilumine seus caminhos e da sua família
    Um grande abraço e tudo de bom
    Ass:Rodrigo Rocha

    • 2

      Telma e Karina said,

      Rodrigo, que bom que você gostou! Espero que volte outras vezes… Muito obrigada pela agradável visita e pelo comentário! Um abraço! Karina


Comment RSS · TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: