Archive for novembro 27, 2008

Metalinguagem e Mário Quintana

833634_anonymous

É de conhecimento geral o conceito de metalinguagem. Mas não nos custa relembrá-lo. Trata-se de um recurso utilizado por muitos escritores em que a própria linguagem é utilizada como tema e conteúdo daquilo que será escrito. De fato, a metalinguagem é uma das mais interessantes funções da linguagem e se presta a descrever e explicar aspectos do próprio idioma dentro de um texto.

Mário Quintana, por nós já aqui aclamado algumas vezes, também se utilizou do expediente da metalinguagem com grande maestria, como é de seu feitio.

Abaixo, reproduzimos um texto do ilustre autor, colhido de seu livro “Prosa & Verso”, de 1980,  em que a função de linguagem mencionada é largamente utilizada e de forma bastante curiosa e inteligente:

De gramática e de linguagem

624068_letters_1_yes

E havia uma gramática que dizia assim:

“Substantivo (concreto) é tudo quanto indica

Pessoa, animal ou cousa: João, sabiá, caneta”.

Eu gosto é das cousas, As cousas, sim!…

As pessoas atrapalham. Estão em toda parte. Multiplicam-se em excesso.

As cousas são quietas. Bastam-se. Não se metem com ninguém.

Uma pedra. Um armário. Um ovo. (Ovo, nem sempre,

Ovo pode estar choco: é inquietante…)

As cousas vivem metidas com as suas cousas.

E não exigem nada.

Apenas que não as tirem do lugar onde estão.

E João pode neste mesmo instante vir bater à nossa porta.

Para quê? não importa: João vem!

E há de estar triste ou alegre, reticente ou falastrão,

Amigo ou adverso… João só será definitivo

Quando esticar a canela. Morre, João…

Mas o bom, mesmo, são os adjetivos,

Os puros adjetivos isentos de qualquer objeto.

Verde. Macio. Áspero. Rente. Escuro. Luminoso.

Sonoro. Lento. Eu sonho

Com uma linguagem composta unicamente de adjetivos

Como decerto é a linguagem das plantas e dos animais.

Ainda mais:

Eu sonho com um poema

Cujas palavras sumarentas escorram

Como a polpa de um fruto maduro em tua boca,

Um poema que te mate de amor

Antes mesmo que tu saibas o misterioso sentido:

Basta provares o seu gosto…

Telma

Comments (1) »